quinta-feira, 20 de setembro de 2007

A História Sem Fim

Cá estou eu novamente falando de mais uma obra do querido Michael Ende. Essa é a vez d'A História Sem Fim, livro que sou suspeito para criticar, já que é um dos meus preferidos. A leitura pode parecer infantil no início, mas o decorrer da trama te traga e te leva a um mundo fantasioso, tão rico quanto os contos de fadas. O fato do mundo não ser fixo, estar sempre em mudança, sofrer alterações pela incredibilidade das pessoas, acrescenta um toque mágico, quase como se você mesmo fosse Bastian, já que a situação do mundo deste é igual ao nosso. O livro é dividido em duas partes, sendo que há dois protagonistas: Atreyú, o garoto pele-verde que vive no mundo do livro, e Bastian, o menino que está fora do livro (por pouco tempo). A História Sem Fim atinge certa profundidade na sua segunda parte, quando Bastian é obrigado a lutar com seu lado negro. Luta no qual o torna maduro e confiante.

A história começa quando Bastian Balthazar Bux, um menino excluído e tímido, rouba um livro de uma pequena livraria. Na capa cor de cobre, com o desenho de duas cobras enroladas, está o título A História Sem Fim, Bastian então foge para a escola e encontra nela o refúgio para ler o curioso objeto. O livro conta sobre a jornada do jovem Atreyú em busca de uma cura para o Nada, um mal que está devorando o mundo de Fantasia. Ao desenrolar da trama, conforme Atreyú se depara com seres fantásticos ou malignos, Bastian, cada vez mais envolvida, se dá conta do elo que há entre ele e o livro cor de cobre, descobrindo então que é o único capaz de eliminar o Nada. Detalhe que o Nada não passa do distanciamento das pessoas dos seus sonhos.

Ao nomear a Imperatriz Criança de Filha da Lua, Bastian é levado ao mundo de Fantasia, onde no final das contas sobra apenas um grão. É essa parte que a aventura fica mais divertida. Bastian se vê diante da tarefa de reconstruir o mundo, moldando da forma como seu coração desejar. Mas como tudo não é tão simples, o lado negro e ambicioso do nosso jovem protagonista, que em seu mundo era corajoso e destemido, começa a entrar em cena, sendo mais uma barreira que deverá ser vencida, já que a cada minuto que ele permanece em Fantasia, mais um vestígio de quem ele realmente "é" é perdido e esquecido.

A história se alonga até o momento em que Bastian precisa decidir se quer ficar no mundo de Fantasia ou voltar ao mundo real, triste e sombrio, onde ele é rejeitado pelos colegas de escola e ignorado pelo pai. Não vou contar o final, pois não quero estragar a surpresa de quem vai ler!

É então de forma metafórica, assim como Momo e o Senhor do Tempo, que o livro termina, deixando no ar uma questão. Quantos de nós não já parou de sonhar? Quantos ainda acreditam em fábulas e estórias fantasiosas? O moderno urbanizado não nos permite isso. A sociedade nos empurra e não nos deixa admirar o que há de bom na vida. É isso que o Nada representa.

Quem assistiu o primeiro filme, ficará mais entusiasmado com o livro, pois existem muitos personagens e situaçõess novas. Quem ainda não leu, vai ficar de boca aberta e um pouco triste pela história infelizmente ter um final. Ah... Que saudade de voar em um Dragão da Sorte! Para quem desejar ler:

E-Book (em português e com ilustrações)

Até a próxima!

2 comentários:

Sr. Orfakin K. disse...

to gostando das tuas dicas...
amanha já começo a baixar alguns e-books que vc deixa lá...

http://contos-de-aneras.blogspot.com/

Bruxinhachellot disse...

A História Sem Fim, Momo e a trilogia Fronteiras do Universo de Philip Pullman não são livros infantis, apesar de suas personagens principais serem crianças. O conteúdo de cada um é vasto e complexo para o entendimento infantil. Foi horrível o que fizeram com o filme A História Sem Fim, muito bobo e sem sal para o gosto de quem conhece a história verdadeira.

Beijos de Sol e de Lua.