terça-feira, 3 de junho de 2008

Trolls

Que felicidade escrever um tópico falando sobre uma criatura tão presente na fantasia de certos RPGs, videogames, livros de espada e feitiçaria, entre outros elementos tão "medievais", literalmente falando. Reparei que nesse mês anterior pouco foi discutido sobre criaturas, mas muito em questões de conceito. Para quebrar esse gelo, já que tenho de agradar gregos e troianos, vai aqui algo sobre essa raça tão exótica e repleta de variações!

Os trolls são seres temíveis saídos do folclore escandinavo. Na maioria das vezes ele é representado como uma visão nórdica dos gigantes, porém existem trolls que são representados como criaturas pequenas, não maiores que goblins; essas diferenças por sua vez se devem à disseminação do mito, que por sua vez chegou das terras escandinavas atingindo a Inglaterra e outros locais invadidos por vikings. Dentro da literatura nórdica a varíavel mais frequente é a de um ser enorme, com orelhas e narizes muito grandes e que gosta de viver no subsolo, sendo este o seu refúgio contra o Sol, que pode transformá-lo em pedra com contato. Como em outras lendas nórdicas, o subsolo onde costumavam viver era transformado em um complexo subterrâneo, tendo muitas entradas e cavernas, que iam desde montanhas até bosques. Esses complexos teriam como suporte pilares de ouro; talvez para combinar com os tesouros guardados por estes seres. A palavra "troll" não possui um significado certo, por vezes é traduzido como "sobrenatural perigoso" ou ainda "alguém que se comporta com violência". Essa tradução é claramente uma alusão aos termos trolldrom e trolla, bruxaria e fazer truques de magia respectivamente. A origem da criatura é outra coisa a ser discutida. Muitos estudiosos afirmam que pode haver uma ligação entre os Neandertais e os trolls; sendo estes frutos de um encontro entre Neandertais e homens de Cro-Magnon. É claro que isso não passa de uma teoria, no qual as provas são inexistentes. Outra teoria diz que eles representavam antepassados escandinavos antes da introdução do cristianismo, que acabou por demonizá-los; a verdade é que suas origens foram definidas de acordo com cada cultura.

O país onde o mito tinha maior importância, tanto nas lendas quanto na literatura, era a Noruega. Ao contrário de outros países europeus, cada vez mais modernizados, a Noruega ainda mantém profundos bosques somados às belíssimas paisagens naturais; havendo sempre um respeito e sendo de preservação da natureza. Esse culto foi o motivo no qual o troll sempre existiu e talvez nunca se extinga da cultura norueguesa; assim como o folclore predominante na Amazônia nunca deixará morrer Curupiras e Boitatás por aí. Enorme, pesado e escuro, o troll norueguês não é rápido, mas ainda consegue trazer para si muitos prisioneiros. Designado como "predador da noite", gosta de adotar a forma de um homem selvagem para sair à noite, quando as pessoas estão dormindo. E era durante as noites que todos os trolls dançavam e comemoravam os solstícios de verão e inverno, tudo ao ritmo do henking, uma estranha dança descompasada. Gostavam de capturar crianças recém-nascidas, trocando-as por trowies, criaturinhas de aspecto desprezível! Por esses atos, os trolls sempre foram considerados malévolos e eternos inimigos dos homens, só tendo sua imagem mudada com o passar do tempo.

A terra que serviu de palco para a povoação de anões, duendes, criaturas mágicas e elementais, tem forte recordação também da imagem do troll. Estou falando da Islândia, local de território rochoso, onde facilmente a idéia do troll, habitante das grutas, foi assimilada. Lá a figura do troll era parecida com a da Noruega, porém com um tamanho menor e com uma malícia maior. O passar do tempo e a entrada da Idade Média trouxeram a concepção que temos atualmente da imagem de um troll: gigante, com dimensões imensas, temperamento maligno, ignorantes, fortes, com narizes grandes e braços compridos.

Influenciaram fortemente a cultura "pop", através de vários meios, entre eles o Dungeons & Dragons, O Hobbit, de J. R. R. Tolkien, traduzido como trasgo pela série Harry Potter, servindo de inspiração para letras de folk metal e para a criação de romances e contos de fantasia. Afinal, que não conhece um troll? Lembro até de uma coleção de brinqueado com esse nome... Enfim, espero que tenham gostado! Até a próxima cambada de trolls.

4 comentários:

Ewaldy Marengo disse...

Cara, muito bons seus textos.

Bem que você poderia liberar o feed completo.

Abraços

Nibelung disse...

Só gostaria de recomendar para você o link das traduções da The Order of the Stick (A Ordem do Graveto) que estão sendo feitas por mim. Infelizmente não possuo mais espaços pra "parceiros" no blog, então fica apenas como recomendação de leitura.

Caso queira me dar um link gratuito/postagem jabá, eu agradeço. :)

Phil Souza disse...

Alguém ai falou pra liberar os feed, mas até aonde sei a qualquer momento com o link do blog dá pra pegar os feeds...

Vou ficar de olho no blog, conheci ele agora, mas gostei até o momento do que li.

Orfanik K. disse...

interessante a trajetória da lenda do troll...
texto muito bom